FISCAIS COMBATEM CRIMES AMBIENTAIS NA PRAIA DO PERÓ EM CABO FRIO

 

Da redação

Três construções irregulares, em área de preservação permanente do Peró, foram desmontadas, nesta quarta-feira, por agentes da fiscalização ambiental da Prefeitura de Cabo Frio. Um dos invasores montou uma barraca de alimentos no costão da Praia das Conchas, local que é alvo de pesquisas científicas e que fica no Parque Estadual da Costa do Sol (PECS).

Durante a fiscalização, as equipes encontraram moradores em situação de rua morando em acampamentos irregulares e impediram que área fosse desmatada. Os agentes encontraram pessoas morando em barcos que ficam na areia, na área do PECS. Elas receberam orientações e deixaram o local. Os agentes recolheram lonas e utensílios utilizados para a moradia improvisada. Banhistas estavam reclamando não só da ocupação irregular como também de atos obscenos praticados pelos invasores.



No canto da praia, próximo a área onde seria construído o Club Med, outro flagrante chamou a atenção dos agentes da Coordenadoria de Meio Ambiente e Assuntos Fundiários. Pessoas acumularam objetos, lonas, colchonetes e utensílios num acampamento na restinga, na Área de Proteção Ambiental do Pau-Brasil. No deslocamento até a Praia do Peró, a equipe flagrou um homem desmatando uma área de preservação ambiental. Os fiscais apreenderam o equipamento utilizado para o desmatamento e o homem foi liberado.


Moradores do Peró pediram o reforço da fiscalização no período do Carnaval e presença mais efetiva de fiscais de posturas e de agentes de trânsito para combater a desordem não somente na praia como também na Praça do Moinho. O comércio e o estacionamento irregular impedem até a passagem dos ônibus, deixando a população sem transporte. O coronel Mário Fernandes, do Comando de Policiamento Ambiental da PM, prometeu intensificar o patrulhamento na região para combater crimes ambientais. 



Para o coordenador de meio ambiente, Eduardo Pimenta, é importante que todos estejam cientes da importância da preservação.

"Essa união de esforços é essencial para promover a recuperação dos ambientes degradados e impedir que áreas, ainda preservadas, sejam atingidas. Ao mesmo tempo em que estamos reprimindo, os agentes orientam a população, promovendo ações de educação ambiental" - disse o coordenador.


Texto de Paulo Araújo. 

Nenhum comentário